Skip to main content

Estima-se que um terço de toda a água potável produzida seja “perdida” antes de chegar ao cliente. Essas perdas incluem roubo, adulteração e uso conhecido sem faturamento.

A água sem receita tem sido uma questão crítica por muitos anos, mas a quantidade de água sem receita não está diminuindo. Este é um grande problema para redes de água, consumidores e serviços públicos, mas pouca ação está sendo tomada por parte das concessionárias para reduzir essas perdas de água.

Em um artigo intitulado “Por que as concessionárias de água não estão tomando medidas sobre água sem receita?“, dei uma olhada aprofundada nas principais razões para a inação das concessionárias e detalhei como os utilitários podem superar as questões que estão bloqueando o progresso que pode ser feito. Mais importante, explorei as opções que estão disponíveis não só para as concessionárias de água, mas também governos, empresas privadas, empresas públicas, órgãos reguladores, políticos e consumidores que podem ajudar a resolver o problema da água sem receita.

Abaixo está uma prévia das 12 razões pelas quais acredito que os serviços públicos não estão tomando medidas sobre a água sem receita. Você também encontrará acesso ao meu jornal completo.

1/ O custo de produção de água é tão baixo que não é economicamente viável tomar medidas

While the costs involved in producing water are often claimed to be reasonably low, the true costs aren’t fully understood or calculated accurately by any utility or body. The reality is that the costs involved in water production are not as low as it is often claimed

2/ As perdas de água relatadas já são muito baixas

Algumas concessionárias de água alegam perdas de água de 3 a 7% (em alguns casos há alegações de que 0% da água é perdida). Na ausência de um terceiro independente, essas reivindicações só podem ser apoiadas por medidas que cada utilitário se fez.

A realidade é que nenhuma concessionária de água no mundo pode medir com precisão as perdas de água que ocorrem desde a extração até a entrega.

3/ Não há métricas coletivas de água sem receita para alcançar

Embora muitas concessionárias tenham objetivos internos, há uma clara falta de métricas aplicáveis e indicadores de desempenho chave que se relacionam com os objetivos para valores de água sem receita.

4/ Políticos e municípios são muito sensíveis às questões hídricas

Protestos na Índia e na Irlanda nos últimos anos têm destacado as preocupações dos consumidores em torno do direito de acesso à água de qualidade, e muitos serviços públicos acreditam que os consumidores se queixarão se forem tomadas ações que os afetarão, a água se torna muito cara ou eles descobrem a verdadeira quantidade de água que está sendo perdida.

5/ Falta de recursos fornecidos pelo governo para cuidar das redes de água

Com o financiamento insuficiente para as concessionárias de água, a infraestrutura se deteriorou, o que coloca muitos deles em risco. Uma vez que os governos são geralmente de curta duração, eles estão muitas vezes dispostos a cortar fundos para questões que eles acreditam que não ocorrerão durante seu mandato.

6/ Falta de conhecimento técnico dentro das concessionárias de água

Os funcionários aposentados em serviços públicos não foram substituídos devido a um empurrão para reduzir custos, o que significa que não houve uma injeção da geração mais jovem na força de trabalho. Além disso, devido à natureza conservadora e idade média da força de trabalho, houve pouco incentivo à inovação ou investimento na indústria hídrica.

7/ Falta de concorrência no abastecimento de água

Os consumidores são incapazes de escolher outro provedor, não importa onde estejam no mundo quando os serviços públicos falham. Quando não há concorrência, há muito pouco incentivo para que as concessionárias de água melhorem.

8/ As concessionárias de água não querem desafiar o status quo

Em muitos casos, a gestão de uma concessionária de água muda quando o governo muda. Como isso acontece a cada 3 a 5 anos, há pouco incentivo para que as concessionárias lutem por melhorias.

9/ As concessionárias de água foram privatizadas e têm objetivos diferentes

Há muitas questões em torno da privatização, incluindo o fato de que a exigência de lucros pode entrar em conflito com a exigência de fazer investimentos de longo prazo em ativos e infraestrutura que durarão 50 anos no campo e as tarifas podem aumentar exponencialmente devido ao desejo da concessionária privada de aumentar sua renda bruta. Esses fatores encobrem a questão da água sem receita.

10/ Falta de tecnologia de água sofisticada

Historicamente, a natureza conservadora da indústria hídrica tem significado uma clara falta de foco no desenvolvimento de novas tecnologias para a indústria hídrica. Quando as empresas desenvolvem novas tecnologias de água, as concessionárias hesitam em confiar e investir nelas.

A falta de novos conhecimentos técnicos fez com que as concessionárias nunca tivessem feito melhorias na água sem receita.

11/ Os reguladores não estão interessados em impor condições mais rigorosas

Os reguladores de água geralmente não têm muito interesse em impor condições rigorosas e controle sobre as concessionárias de água, uma vez que isso poderia levantar questões que ambas as partes desejam ser mantidas fora do domínio público.

12/ Falta de educação em torno de questões relacionadas à água

As questões em torno da escassez de água devido à rápida expansão da população e à demanda para abastecer todos com água corrente tornaram-se mais públicas, e agora há um grande foco nisso.

Isso também cria um foco nas perdas que estão ocorrendo, mas, mais uma vez, é difícil para as concessionárias comunicar isso sem receber reação dos clientes.

Pronto para descobrir as opções disponíveis para os utilitários para enfrentar a questão da água sem receita?

Até agora, pouco foi feito para remediar a quantidade de água “perdida”. Como sabemos, reduzir as perdas de água não se trata apenas de economizar recursos hídricos diante da escassez, mas também sobre:

  • A redução da energia utilizada para extrair, bombear, transportar e tratar tanto a bebida quanto a água residuais
  • A redução do CO2 que é bombeado para a atmosfera devido à energia usada para extrair, bombear, transportar e tratar tanto a bebida quanto a água residuais
  • A redução dos produtos químicos utilizados para o tratamento de água e águas residuais
  • A redução da infraestrutura necessária para o transporte e tratamento de água potável e de resíduos

Ao combater a água sem receita, as concessionárias podem aumentar sua eficiência, reduzir gastos redundantes de energia, evitar impactos ambientais significativos e diminuir seus custos operacionais em geral.

Na versão completa deste whitepaper, forneci 12 soluções abrangentes para cada um dos 12 problemas detalhados acima para que os utilitários pensem duas vezes sobre por que ainda não abordaram as razões profundas que os impedem de agir sobre água sem receita em suas redes.

Gavin van Tonder

About Gavin van Tonder