Skip to main content

É difícil saber o valor da água até que ela desapareça.

Marcos UdallEx-senador dos Estados Unidos

Historicamente, a água foi assumida como essencialmente livre e abundante, de modo que a quantidade de água usada nos negócios e nos setores públicos era tipicamente de pouca preocupação. As empresas e o setor público estão agora sentindo os impactos da escassez de água e, como resultado, estão respondendo em graus variados. A escassez de água está sendo impulsionada pelo crescimento populacional e pela expansão industrial, que são ainda mais complicados pelos efeitos negativos das mudanças climáticas, como secas e eventos climáticos extremos. Essa combinação de fatores está colocando restrições no acesso e uso da água, mesmo em algumas geografias onde a água tem sido historicamente abundante.

Benefícios da Água

A água tem valor para todas as pessoas, empresas, setor público, serviços públicos e ecossistemas. Colocar um valor na água é um desafio porque é um recurso compartilhado e nem todos têm a mesma visão da água – tanto o valor quanto o Valores. Existem muitas variáveis que determinam o valor da água para uma pessoa ou empresa.

Do ponto de vista do atributo físico, a quantidade e a qualidade são as mais significativas, em parte porque ditam a quantidade de água disponível e se a água é potável ou adequada para outros fins (por exemplo, irrigação). Há riscos com quantidade e qualidade por causa da diminuição da quantidade de água doce e da crescente quantidade de poluição da água devido ao crescimento populacional, às mudanças climáticas, à urbanização e ao aumento da renda (JP Morgan, 2008).

Quantidade e qualidade são os fatores fundamentais da gestão da água, mas se quisermos avançar para estratégias de gestão da água, devemos olhar para “as cinco dimensões do desenvolvimento sustentável: política, social, econômica, ambiental e cultural” (Chelby, 2014). O conceito de água como um bem econômico foi desenvolvido como parte do período que antecedeu a Cúpula da Terra no Rio de Janeiro, em 1992. Foi amplamente discutido durante a Conferência Internacional sobre Água e Meio Ambiente e foi transformado no Declaração de Dublim sobre a água e o desenvolvimento sustentável (Declaração de Dublim sobre a Água e o Desenvolvimento Sustentável, 1992). Os Princípios de Dublim foram importantes para identificar a necessidade de uma gestão integrada da água, com a seguinte redacção:

  1. A água é um recurso finito, vulnerável e essencial que deve ser gerido de forma integrada.
  2. O desenvolvimento e a gestão dos recursos hídricos devem basear-se numa abordagem participativa, envolvendo todas as partes interessadas relevantes.
  3. As mulheres desempenham um papel central no fornecimento, gestão e salvaguarda da água.
  4. A água tem um valor econômico em todos os seus usos concorrentes e deve ser reconhecida como um bem econômico.

É importante ressaltar que os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) de 2015 agora têm uma meta e métricas dedicadas à água (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas: 17 Objetivos para Transformar Nosso Mundo, 2017). O ODS 6 é dedicado a abordar o acesso à água potável, saneamento e higiene.

Capital Natural e Valor do Ecossistema

Quantificar o valor monetário da água para os serviços ecossistêmicos é uma consideração crítica ao avaliar a água para os setores público e privado. Os valores globais e por hectare dos ecossistemas foram calculados com base na estimativa dos valores indiretos dos ecossistemas aquáticos no controle de inundações, recarga de águas subterrâneas, estabilização e proteção da costa, ciclagem e retenção de nutrição, purificação da água, preservação da biodiversidade e recreação e turismo.

O valor da mordomia decorre de uma crença (moral ou religiosa) de que os seres humanos são obrigados a preservar algum nível de qualidade da água, mesmo quando não há benefícios de retirada ou uso a jusante. Em vez de uma responsabilidade ou obrigação de manter a qualidade da água, o valor altruísta é sobre o prazer que as pessoas recebem de saber que os outros desfrutam de benefícios de retirada ou uso a jusante. O valor do legado é semelhante ao valor de gestão da água, onde há uma crença de que os seres humanos existentes são obrigados a manter um nível aceitável de qualidade da água para “legar” às gerações futuras. Por fim, o valor da existência decorre da satisfação que alguns têm de saber que existe um nível aceitável de qualidade ambiental. Em relação a esses valores, se a qualidade da água diminuir, os objetivos de administração, legado e existência podem não ser atingidos, enquanto os benefícios relacionados caem (Dumas, Schuhmann e Whitehead, 2005).

Valor Espiritual e Cultural

Embora um bem econômico especial e as diretrizes acima nos levem mais longe na valorização da água, devemos estar cientes de que a água também tem uma dimensão cultural. Seria um desafio quantificar o O valor espiritual da água, no entanto, todas as principais religiões do mundo, budismo, cristianismo, hinduísmo e islamismo, colocam um valor espiritual significativo na água (Groenfeldt, D. Water Ethics: A Values Approach to Solving the Water Crisis. Earthscan, 2014).

Por exemplo, em funerais budistas, a água é derramada até transbordar em uma tigela colocada na frente de monges e do falecido. No cristianismo, a água é usada no batismo e na lavagem, o que simboliza a purificação e a purificação. Os hindus acreditam que toda a água, especialmente os rios, são sagrados porque também se acredita que ela tem propriedades de limpeza e é usada para alcançar a pureza física e espiritual. Com este importante valor colocado na água, é um elemento necessário em quase todos os ritos e cerimônias para o hinduísmo. No Islã, a água é reconhecida como a origem de toda a vida na Terra, como a substância a partir da qual Deus criou o homem e como um recurso sustentador e purificador.

Para desconsiderar como não quantificável, o valor espiritual da água ao considerar o valor global da água seria desconsiderar séculos de tradição e ritual aplicados por mais da metade da população global.

Visão de valor baseada em riscos de negócios

A água, assim como todos os recursos, tem valor que varia de acordo com seu uso ou não uso. No entanto, o risco hídrico para as empresas é tipicamente enquadrado como tendo três dimensões de risco – físico, regulatório e reputacional. Muitas empresas enfrentam esses três tipos de riscos que interrompem a continuidade dos negócios. Os riscos físicos surgem de problemas de quantidade e qualidade. Os problemas são bastante simples, pouca água (escassez), muita água (inundações) ou água de baixa qualidade. As causas desses riscos não são tão simples e são uma combinação de problemas – alocação excessiva, secas ou desastres naturais. O risco físico afeta as empresas em toda a sua cadeia de valor – cadeia de suprimentos upstream, operações e, em alguns casos, uso do produto. Para muitas empresas, a má qualidade da água também pode representar um risco, como no setor de fabricação de semicondutores, que requer água ultrapura para a produção.

Esses riscos hídricos se traduzem em impactos financeiros. Existem três “canais principais” através dos quais os riscos em torno da escassez ou poluição da água podem afetar o desempenho financeiro, as perdas financeiras, os custos mais altos e o crescimento atrasado ou suprimido. As perdas financeiras decorrem da perda de receita devido a um processo de produção lento (JPMorgan, 2008). A falta de água ou a qualidade da água pode fazer com que uma empresa perca lucros porque não é capaz de produzir tanto quanto teria com água de alta qualidade. Um problema com a perda financeira pode resultar do risco de reputação devido a um sentimento público negativo para uma empresa, o que faz com que as pessoas parem de comprar o produto.

O último canal que afeta o desempenho financeiro é o crescimento atrasado ou suprimido devido à intensificação da competição pela água. A falta de quantidade e / ou qualidade é uma ameaça iminente às operações de negócios, porque as pessoas precisam de água junto com outras empresas. Por exemplo, se uma empresa estiver em uma área que está sob seca severa (risco físico), o regulamento esperançosamente alocará água para pessoas que precisam da água, porque a saúde é a prioridade número um quando se trata de escassez de água ou declínio da qualidade da água.

Especialistas em Qatium

Will Sarni é o fundador e CEO da Water Foundry e é um dos muitos especialistas com quem co-criamos a Qatium.

Recursos

  • Chelby, J. (2014). O Valor da Economia da Água da Água para um Uso Sustentável. O Econômico
    e Social Review, [online] 45(2), pp.207-222. Disponível aqui.
  • Dumas, C., Schuhmann, P. e Whitehead, J. (2005). Medindo os benefícios econômicos da água
    Melhoria da Qualidade com Transferência de Benefícios: Uma Introdução para Não-Economistas. Americano
    Simpósio da Sociedade de Pesca. [online] Disponível aqui.
  • A Declaração de Dublim sobre a Água e o Desenvolvimento Sustentável. (1992). In: Internacional
    Conferência sobre Água e Meio Ambiente. [online] Nações Unidas. Disponível aqui.
  • Groenfeldt, D. (2014) Ética da Água: Uma Abordagem de Valores para Resolver a Crise Hídrica. (Earthscan).
  • JP Morgan (2008). Observando a água: um guia para avaliar os riscos corporativos em um mundo sedento.
    Pesquisa de Equidade Global. [online] Disponível aqui.
  • Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas: 17 Objetivos para Transformar Nosso Mundo. (2017). Objetivo
    6: Garantir o acesso à água e ao saneamento para todos. [online] Disponível aqui.
William Sarni

About William Sarni